Dicas de Leitura

Histórias fantásticas e cheias de poesia

capas dos livros

E essa semana as nossas dicas estão super espertas! A primeira delas é A Bicicleta Epipletica, primeiro livro de Edward Gorey lançado no Brasil. A história começa no momento em que não é mais terça-feira, mas ainda não é quarta – uma boa amostra do clima de absurdo que permeia toda a obra.

a_bicicleta_epiletica

A partir daí, o leitor acompanha a aventura (ou desventura?) dos irmãos Embley e Yewbert, que, no melhor estilo Alice no País das Maravilhas, são guiados por uma bicicleta epiplética por campos de rabanete que não têm rabanetes, um grande celeiro tão escuro que não é possível ouvir nada, e uma tempestade tão forte que leva consigo os catorze pares de sapatos amarelos de Embley e o colete de oncinha de Yewbert. O traço fino e detalhista de Gorey dá o tom macabro das ilustrações, que se diferenciam radicalmente do que comumente se vê nos livros infantis. O livro original foi escrito à mão pelo próprio Gorey, e a Cosac Naify tomou o cuidado de desenvolver, especialmente para a edição brasileira, uma fonte que imita a letra do autor com perfeição.

a_parte_que_falta

A segunda opção de leitura é A parte que falta, de S.Silverstein. Com sua poesia hábil e sensível, o autor aborda neste livro a busca do autoconhecimento e da completude. A metáfora se dá por meio da história de um ser circular a quem falta uma parte. Otimista, ele se lança no mundo à procura de preencher esta lacuna. À medida que descobre o universo ao redor – e também a si mesmo -, percebe que as relações interpessoais são muito mais complexas e delicadas do que pensava e que a felicidade quase sempre está dentro de nós mesmos – e não no outro. Uma prova de que a liberdade é o maior bem que podemos possuir.

a_caraminhola_da_minhoca

Por último, a dica é A caraminhola da minhoca, de Blandina Franco. Não enxergar o próprio rabo pode trazer muitos problemas – principalmente quando isso acontece com uma minhoca! E foi exatamente o que se passou com a personagem deste livro, que tentava a qualquer custo puxar assunto com a sua outra ponta. Irritada com a postura blasé da “parceira de espécie”, a minhoca começou a armar o maior auê, e, apesar das reprimendas da joaninha, ela acabou se dando mal pra chuchu.

Compartilhe:

Postar um comentário

*
*