Dicas de Leitura

Leituras para brincar, se divertir e descobrir coisas novas

Essa semana é muito especial, é o Dia da Criança. E, toda criança adora ganhar presentes. Então, que tal presentear com livros legais? Elas aproveitam o feriadão para brincar e ler também. A primeira sugestão é Gabriela e a titia, de Ruth Rocha.

post_4_livro_1

Nesta história, a menina levada foi passear com a senhora gorducha que não para de falar um só minuto. Enquanto a titia se distrai, Gabriela aproveita para fugir e deixar que a tagarela continue o passeio com um companheiro inusitado! Quem será?

post_4_livro_2

A segunda dica é o livro Terras metálicas, de Renato Carajelescov Nonato. A Última Guerra lavou a atmosfera com uma massa nuclear, tornando-a incapaz de sustentar a vida. Para continuar sobrevivendo, a humanidade precisou se adaptar, isolando-se numa atmosfera artificial – a Esfera, local onde tem se mantido com o passar das gerações. A utopia da sociedade reinou desde então, com a paz sendo mantida com mão de ferro pela Elite. Mas essa paz pode acabar. Raquel é uma recém-formada em primeiro nível na Academia, que passa seu tempo livre entre Saturno – o parque temático da Esfera – e divagações sobre seu sonho de voar. Ao iniciar uma nova etapa de vida, ela vai encarar a cerimônia de implante que pode tornar esse sonho realidade, se a habilidade dos Túneis lhe for conferida. Mas essa nova etapa também vai levá-la por caminhos perigosos. Raquel descobrirá que o IA, responsável por todos os sistemas de sobrevivência da Esfera, está com os dias contados. Ela precisará da ajuda de seus amigos – Tashi, Tales, Ângelo, Camila, Liceu, Isabela e Nirvana, que lhe darão sustentação quando tudo o mais na utópica Esfera estiver ruindo.

post_4_livro_3

Por fim, a gente sugere a leitura de Tradição e criação de jogos, de Patrício Casco. “Num mundo em que a seriedade tem promovido tantas guerras, por que não brincar para promover a paz?” Com essa questão, Patrício Casco dá o pontapé inicial em seu pensamento criativo e provocador, que tira partido das atividades lúdicas para encontrar nelas um antídoto contra a violência de nossos dias. Neste livro, ele questiona a utilização que é feita dos jogos nos espaços pedagógicos, sempre igual e hipercompetitiva. Por outro lado, subverte o significado da prática de jogos e esportes para transformá-las em oportunidade de encontro e diálogo entre as pessoas. Patrício demonstra como tanto o jogo quanto a criação se manifestam no caos, ensinando-nos sua importância para qualquer ação educativa transformadora.

Compartilhe:

Postar um comentário

*
*