Curiosidades

Palavras de origem africana na língua portuguesa

layout_facebook_141118_1

Fica difícil de falar da cultura brasileira, sem mencionar as influências africanas no nosso dia a dia, seja na música, culinária, dança e literatura, entre outras áreas. O mesmo pode-se dizer com relação à língua portuguesa, isso porque dos oito países que falam o português oficialmente, seis estão no continente africano. Além do Brasil e Portugal, falam o português: Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor.
Mas como é que essa influência africana entrou na língua portuguesa de uma maneira tão forte? É que nos países da África, além de falar o português, eles falam a língua local. E apesar da colonização desses países da África pelos portugueses, os africanos não deixaram de se comunicar em suas línguas maternas (nagô, iorubá, quicongo, umbundo e quimbundo).

Na época do tráfico de escravos negros para o Brasil, um dos cuidados que os colonizadores tinham era o de não transportar muitos negros que fossem da mesma etnia, ou seja, que não falassem a mesma língua. Assim, eles acreditavam que os negros não se comunicariam e, portanto, não conseguiriam se rebelar contra a condição de escravidão.

Mas ao chegar ao Brasil, e por aqui ficando, a influência nos quase quatro séculos de escravidão (e cerca de cinco milhões de africanos) fez com que houvesse o inverso do que desejava o colonizador: os negros africanos agregaram palavras, expressões e sua cultura aos povos que aqui já viviam, que eram os índios e os europeus.

O resultado dessa contribuição rica dos negros para a cultura brasileira foi um vasto vocabulário de palavras originárias da África, que usamos até hoje no nosso cotidiano, como acarajé, babá, babaca, cachaça, caçamba, dengo, moleque, pindaíba, entre outras.

Veja a relação, e o significado, de algumas palavras africanas incorporadas no nosso vocabulário:

Acarajé – Bolinho feito de massa de feijão-fradinho frito no azeite de dendê e servido com camarões secos.
Afoxé – Dança semelhante a um cortejo real, que desfila durante o carnaval em cerimônias religiosas.
Agogô – Instrumento musical formado por duas campânulas ocas de ferro.
Axé – Saudação; força vital e espiritual.
Babá – Ama-seca; pessoa que cuida de crianças em geral; pai-de-santo; a origem é controvertida sendo, para alguns estudiosos originária do quimbundo, e para outros do idioma iorubá.
Babaca – Tolo; boboca.
Bagunça – Baderna, desordem.
Caçamba – balde para tirar água de um poço; local onde se depositam detritos.
Cacimba – Poço ao ar livre, onde se retém a água da chuva para diversas finalidades.
Caçula – O mais novo.
Catinga – Fedor; mau cheiro.
Cochilar – Breve soneca. Sono leve.
Cuíca – Instrumento musical que emite um ronco peculiar.
Dengo – Gesto de carinho
Encabular – Envergonhar-se. Ficar vexado por algum motivo.
Fofoca – Intriga. Mexerico
Fuzuê – Festa. Confusão. Turbilhão nas águas de um rio.
Lero-lero – Conversa fiada. Palavreado vazio.
Manha – Choro infantil sem causa. Birra. Malícia. Ardil. Artimanha. Habilidade manual.
Matuto – Indivíduo que vive no mato. Na roça. Pessoa ignorante e ingênua.
Miçanga – Conta de vidro miúda. Ornatos feitos com esse tipo de conta. Colar.
Mochila – Alforge. Bornal que se leva às costas.
Muvuca – Confusão. Algazarra.
Nenê – Criança recém-nascida ou de poucos meses. Provém do Umbundo “nene”, que
quer dizer pedacinho, cisco.Odara – Bom. Bonito. Limpo. Branco. Alvo.
Pinga – Aguardente extraída do caldo da cana.
Quengo – Cabeça. Região próxima da nuca.
Saravá – Palavra usada como saudação nos cultos afro-brasileiros, significa “salve”.
Sapeca – Diz-se de moça muito namoradeira ou assanhada. Diz-se também da criança muito arteira.
Serelepe – Vivo. Buliçoso. Astuto. Esperto.
Tagarela – Pessoa que fala muito e à toa.
Trambique – Negócio fraudulento. Vigarice. Logro.
Xará – Pessoa que tem o mesmo nome que outra.
Xodó – Amor. Sentimento profundo que se demonstra por algo ou alguém. Carinho.
Zoeira – Conhece-se também por Azueira. Algazarra. Falatório.
Zombar – Tratar com descaso. Escarnecer. Gracejar.

Fonte: Site Nosso Língua

23 Comentários


  1. Fatal error: Uncaught Error: Call to undefined function ereg() in /home/bloguito/public_html/wp-content/themes/bloguito/functions.php:294 Stack trace: #0 /home/bloguito/public_html/wp-content/themes/bloguito/functions.php(254): commenter_link() #1 /home/bloguito/public_html/wp-includes/class-walker-comment.php(174): custom_comments(Object(WP_Comment), Array, 1) #2 /home/bloguito/public_html/wp-includes/class-wp-walker.php(145): Walker_Comment->start_el('', Object(WP_Comment), 1, Array) #3 /home/bloguito/public_html/wp-includes/class-walker-comment.php(135): Walker->display_element(Object(WP_Comment), Array, '5', 0, Array, '') #4 /home/bloguito/public_html/wp-includes/class-wp-walker.php(370): Walker_Comment->display_element(Object(WP_Comment), Array, '5', 0, Array, '') #5 /home/bloguito/public_html/wp-includes/comment-template.php(2097): Walker->paged_walk(Array, '5', 0, 0, Array) #6 /home/bloguito/public_html/wp-content/themes/bloguito/comments.php(43): wp_list_comments('type=comment&ca...') #7 /home/bloguito/public_html in /home/bloguito/public_html/wp-content/themes/bloguito/functions.php on line 294