Curiosidades

Ruim com a dor, mas pior sem ela!

Ela é incômoda, chateia quando está presente em nosso dia a dia, mas é necessária. Seja lá em qual parte do corpo ela estiver presente, a dor é um sinal de que algo em nosso organismo está errado.

A dor acontece através de estímulos que são enviados ao nosso cérebro. O cérebro, por sua vez, anuncia a mensagem por meio de estímulos enviados ao córtex motor. E é esta reação liberada pelo córtex motor através dos nossos nervos, até o local onde algo não está bem, que se manifesta em dor.

A ausência da dor não permite que o problema seja detectado e tratado. Por isso, apesar de ser ruim, ela é importante para que seja feito um diagnóstico.

A dor tem diversos níveis. Uns sentem mais, outros menos. Às vezes tolerável, outras insuportável. Mas todo mundo sente alguma vez na vida. E ela começa desde cedo. É uma característica dos seres vivos, uma forma de autodefesa do corpo, para nos alertar contra algo de ruim que está nos acometendo. Pode ser uma pícadinha de inseto ou uma agulhinha no exame de sangue. Quem não fica estressado com uma dor de cabeça? Pois é, quando é forte ou mesmo contínua, é sinal de que devemos procurar ajuda. Contudo, com as novas tecnologias e a modernidade em produtos químicos, é possível sanar este incomodo. Já existem diversos medicamentos que nos ajudam a amenizar as dores em várias partes do corpo.

E se você não sentisse dor de dente, procuraria um dentista? Poderia ser tarde demais e perderia o dente. Existem pessoas, cerca de 100 ao todo no mundo, que não sentem dor. E você acha que isso é maravilhoso? Não! Trata-se de um defeito genético que impossibilita as fibras de conduzirem algum sinal do local da lesão ao cérebro.

Então, você já sabe, se sentir dor em alguma parte do corpo, fique atento e alerta para procurar ajuda o quanto antes e evite a automedicação.

Compartilhe:

Failed to connect to api.facebook.com port 80 after 5206 ms: Connection timed out