Dicas

Como surgiu o carnaval?


Você acha que o carnaval foi criação de um brasileiro, não é? Mas a resposta é negativa, apesar de termos uma grande tradição nesta festa. O carnaval é uma comemoração muito antiga. A festa se originou na Grécia há muito, muito tempo atrás, em meados dos anos 600 a 520 a.C. Através dessa festa os gregos realizavam seus cultos em agradecimento aos deuses pela fertilidade do solo e pela produção.

A festa carnavalesca surgiu a partir da implantação, no século XI, da Semana Santa pela Igreja Católica, antecedida por quarenta dias de jejum, a Quaresma. Este período do carnaval era marcado pelo “adeus à carne” ou do latim “carne vale” dando origem ao termo “carnaval”. Durante a época do carnaval havia uma grande concentração de festejos populares. Cada cidade brincava a seu modo, de acordo com seus costumes. O carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, como estamos acostumados, é produto da sociedade vitoriana do século XIX.

Na antiguidade – O carnaval da Antiguidade era marcado por grandes festas, onde se comia, bebia e participava de alegres celebrações. O Carnaval prolongava-se por sete dias na ruas, praças e casas da Antiga Roma, de 17 a 23 de dezembro. Todas as atividades e negócios eram suspensos neste período.

No período do Renascimento as festas que aconteciam nos dias de carnaval incorporaram os bailes de máscaras, com suas ricas fantasias e os carros alegóricos. Ao caráter de festa popular e desorganizada juntaram-se outros tipos de comemoração e progressivamente a festa foi tomando o formato atual.

No Brasil – No Brasil, o carnaval foi introduzido pelos portugueses. Seu nome era entrudo, palavra que vem do latim introitus e que designa as solenidades litúrgicas da Quaresma. O Carnaval daqui foi, até a metade do século XIX, uma festa de muita sujeira e molhação. Os escravos a festejavam sujando-se uns aos outros com polvilho e farinha de trigo, ou espirrando água pelas ruas com o auxílio de uma enorme bisnaga de lata.

Por isso as pessoas evitavam sair às ruas durante os dias do entrudo. Isso fez com que os bailes de máscara, realizados apenas para a elite durante o Primeiro Império, e, a partir da década de 1840, para a classe média, fizessem muito sucesso.

Nesses bailes, que eram pagos e feitos em teatros e hotéis do Rio de Janeiro, não se dançava o samba, mas sim o schottische, as mazurcas, as polcas, as valsas e o maxixe, que era o único ritmo genuinamente nacional. Somente em 1869, quando o ator Correia Vasques adaptou a música de uma peça francesa e deu para essa adaptação o nome de Zé Pereira —mesma música que é cantada até os dias de hoje—, apareceu a primeira música de carnaval. Até então, todas as músicas eram instrumentais ou em outro idioma.

Com informações do Almanaque/UOL

2 Comentários

  1. Yasmin
    Postado em 4 de fevereiro de 2014 às 20:24

    Eu gostei muito desse resumo mas o único problema é que ele é gigante mas o resto é tudo de bom

    • Bloguito
      Postado em 14 de dezembro de 2014 às 21:50

      Yasmin, que bom que você gostou do nosso texto. 🙂

Postar um comentário

*
*

Pin It on Pinterest